URGENTE

CANDIDATO AO SENADO DE RONDÔNIA AGNALDO MUNIZ CRITICA PROJETO DA HOMOFOBIA DE FÁTIMA CLEIDE

Nesta segunda-feira, depois de participar de reuniões com lideranças em Guajará-Mirim e Nova Mamoré, os candidatos da Coligação Unidos Para Avançar estiveram reunidos à tarde em Ariquemes com pastores evangélicos de toda a região. A reunião aconteceu na residência do presidente da Câmara de Vereadores e também presidente do PSDB em Ariquemes, Adair Moulaiz, e serviu para que as denominações da região expusessem mais uma vez suas demonstrações de apoio a Expedito Júnior, candidato ao Governo do Estado, que esteve acompanhado do vice, Miguel de Souza, o candidato ao Senado, Agnaldo Muniz, e os candidatos a deputado federal Hamilton Casara e João do Vale Neto.

Abrindo a reunião, Agnaldo Muniz falou de "leis que vão contra os princípios familiares, com as alterações que foram feitas pelo Decreto 7037, que Agnaldo considera uma afronta aos princípios naturais". Para o candidato ao Senado pela Coligação Unidos Para Avançar, "todas essas leis vão contra os evangelistas, pastores e padres, que podem ser até mesmo presos, caso tenham manifestações que considerem homofóbicas". Agnaldo lembrou ainda que o único candidato que se apresentou para ajudar nestas questões foi Expedito Júnior.

Por sua vez, Expedito Júnior disse também que essa questão não é somente de foco religioso, mas sim de envolvimento de toda a sociedade, já que mexe com a vida de todos e vai além, colocando em risco questões como a liberdade de imprensa e o direito de posse.

Para Expedito Júnior, é importantíssimo a eleição de Agnaldo Muniz ao Senado, já que é aquela Casa que pode corrigir essas distorções.

Expedito Júnior disse ainda que toda a sociedade deve se solidarizar á candidatura de Agnaldo Muniz e o interesse maior é que os trabalhos sociais que são feitos em Rondônia, sejam evangélicos ou católicos, suprem a falta de alção do Governo do Estado nesta área e a sua intenção é fortalecer esse segmento dentro do seu governo.
Da mesma forma, os pastores que participaram da reunião falaram das suas impressões sobre o que acontece hoje no Congresso Nacional e da falta de representatividade do meio evangélico. Por isso o nome de Agnaldo Muniz e também do candidato à Presidência da República, José Serra, é fundamental para que essa realidade seja mudada e para melhor.

Nenhum comentário