Número de mortos em ataque a igreja na Nigéria é corrigido para 40

Informação foi dada pelo governador do estado, Oluwarotimi Akeredolu

Porto Velho, RO -
A Nigéria voltou hoje (9) a corrigir o número de mortos no ataque de domingo passado contra uma igreja católica em Ondo, sudoeste do país, de 22 para 40. A informação foi dada pelo governador do estado, Oluwarotimi Akeredolu, à imprensa local.

Após o ataque contra a Igreja de São Francisco, na cidade de Owo, as autoridades divulgaram diferentes números de vítimas, mas o governador admitiu, ness quarta-feira, que houve erros na contagem.

"A equipe médica, chefiada pelo comissário de saúde, enviou-nos os números, e eles são um pouco diferentes. O que divulguei durante o meu discurso ao Estado [na terça-feira] estava errado e devemos aceitá-lo", admitiu Akeredolu, após reunião com bispos para analisar o ataque.

"O número que tenho agora mostra que havia 127 pessoas envolvidas, e o número de mortos agora é 40. Internados para tratamento temos 61. Vinte e seis receberam alta. Esses são os números que temos agora. O governo não esconde nada ", frisou o governador, citado pelos veículos de comunicação locais.

A Agência Nacional de Gestão de Emergências (Anme) da Nigéria confirmou terça-feira à agência de notícias espanhola Efe que houve 22 mortos, número que o presidente usou em seu discurso naquele dia.

O número representava queda significativa em relação ao número de mortos divulgado segunda-feira pelo Conselho Leigo Católico da Nigéria, que indicou "mais de 50" mortos no ataque.

No domingo passado, homens armados não identificados, disfarçados de membros da congregação, dispararam tiros e usaram explosivos no ataque à igreja, segundo a polícia.

"Os homens armados, com base em investigações preliminares, invadiram a igreja com armas e materiais suspeitos de serem explosivos", afirmou Olumuyiwa Adejobi, porta-voz da polícia, em comunicado.

"Os investigadores, que integraram o grupo dos socorristas no local, recuperaram cartuchos de munição AK-47 (rifle) e dispositivos de artilharia explosiva - explosivos químicos, biológicos, radiológicos e nucleares (EOD-CBRNE) - e confirmaram o uso de explosivos", acrescentou Adejobi.

De acordo com a imprensa, grande parte das vítimas era crianças e mulheres.

O presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, e o governador de Ondo condenaram de imediato o massacre.

O papa Francisco lamentou o ataque na segunda-feira e rezou pela "conversão daqueles que estão cegos pelo ódio e pela violência".

O ataque ocorreu após outro que causou a morte de pelo menos 31 pessoas, em 28 de maio, durante evento organizado pela igreja na cidade de Port Harcourt, no Sul da Nigéria.


Fonte: Agência Brasil

Postar um comentário

Please Select Embedded Mode To Show The Comment System.*

Postagem Anterior Próxima Postagem