Por que os russos estão perdendo militares de alto escalão na guerra

Erros de planejamento, pressão política do Kremlin e problemas técnicos expõem os oficiais a riscos elevados em solo ucraniano

Porto Velho, RO -
No último final de semana, o comando do Estado-Maior da Ucrânia publicou, em suas redes sociais, a informação de que o tenente-general russo Andrei Mordvichev havia sido morto em um ataque contra um campo de aviação na região de Kherson, cenário de intensos combates desde o início do conflito.

De acordo com os cálculos ucranianos, ele seria o quinto oficial de alto escalão da Rússia a morrer em combate — ainda não houve confirmação oficial por parte do Kremlin ou de serviços de Inteligência estrangeiros.

Além dele, a Ucrânia anunciou a morte de Andrei Sukhovetsky, Vitaly Gerasimov, Oleg Mityaev e Andrei Kolesnikov, todos com a patente de major-general e com experiência em conflitos como os da Síria e da Chechênia. 

Outros oficiais mortos incluem o capitão Andrey Paly, vice-comandante da Frota do Mar Negro, o tenente-coronel Dmitry Safronov, o coronel Konstantin Zizevsky, o tenente-coronel Denis Glebov, além do general checheno Magomed Tushaev e de Vladimir Zhonga, que liderava um batalhão na província separatista de Donetsk.

Apenas o falecimento de Sukhovetsky foi confirmado pelo presidente Vladimir Putin, enquanto outros, como o de Paly e o de Glebov, foram anunciados por autoridades regionais e políticos da Rússia.

Embora os números de Kiev sobre as baixas russas no conflito pareçam um tanto inflados, mais de 14 mil, analistas apontam que o número “real” de mortos é consideravelmente alto — segundo estimativa feita pelo New York Times, seriam 7 mil militares mortos em menos de um mês de combate. Já a Rússa confirmou apenas 498, em um anúncio feito em 2 de março.

Entre eles, estão oficiais de alto e médio escalões, que estão sendo alvejados com maior frequência do que em outros conflitos por causa de erros de estratégia, problemas logísticos e até da pressão política vinda de Moscou.

Um primeiro motivo que ajudaria a explicar o alto número de generais mortos é a falta de um comando central para a invasão da Ucrânia, ao menos de maneira oficial.

— Um dos princípios da guerra é a “unidade de comando” — afirmou à CNN o analista militar Mark Hertling, ex-comandante do Exército dos EUA na Europa. 

— Isso significa que alguém precisa estar em um posto de coordenação geral para organizar a artilharia, logísticas, forças de reposição, medir o sucesso e o fracasso das diferentes frentes da operação e ajustar suas ações a isso.

Sem um comando militar central, as frentes de combate podem se ver diante de situações mais complexas do que o previsto e sem ferramentas adequadas para lidar com elas: na prática, um fator adicional de risco. 

Além disso, historicamente, oficiais de alto escalão na Rússia participam diretamente de operações no front, ao contrário do que acontece em Exércitos de países como os EUA.

— Todas Forças Armadas reconhecem que vão sofrer baixas, então todo mundo é substituível, desde os generais até os soldados — disse ao site Military Mark Cancian, conselheiro do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. 

— Os generais russos estão liderando as ações no front. Eles estão claramente por lá, e há um elemento de vulnerabilidade nisso.

Pressão por resultados

Há ainda um fator político. Analistas militares afirmam que a ofensiva da Ucrânia não está correndo como o esperado: a invasão de Kiev, antes prevista para ocorrer em questão de dias, não tem data para começar, e tampouco há perspectivas reais de sucesso.

Nesse cenário, a pressão de Moscou por notícias positivas pode influenciar na tomada de decisões potencialmente equivocadas, ainda mais quando as forças russas não possuem tantos oficiais de médio escalão, colocando ainda mais responsabilidades sobre os generais, em termos de movimentações e tomada de decisões.

— Neste caso em particular [da invasão de Kiev], os generais estão mais perto do front porque tentam forçar essa movimentação, provavelmente por causa da pressão política para que simplesmente entrem na cidade — afirmou ao site Military Jeffrey Edmonds, ex-diretor para a Rússia do Conselho de Segurança Nacional no governo de Barack Obama. 

— Eles [Kremlin] claramente acham que podem tomar Kiev e todo o resto vai cair em sequência

Na semana passada, em uma série de entrevistas à rede CNN, o general aposentado americano David Petraeus, que comandou as forças do país no Iraque e Afeganistão, listou o que vê como fraquezas das forças russas. Entre elas, um planejamento pouco eficiente, projeções otimistas demais como a guerra seria travada e, especialmente, problemas técnicos nos equipamentos usados no front.

Para ele, esse é um fator que também ajuda a explicar os motivos de tantos militares de alta patente estarem morrendo em solo ucraniano.

— É muito, muito difícil ver generais mortos em conflitos. E isso [russos mortos] ocorreu apenas nas primeiras três semanas. E eles tinham altas patentes — disse Petraeus. — O ponto aqui é que suas linhas de comando e controle foram rompidas.

Suas comunicações foram bloqueadas pelos ucranianos. Seus equipamentos seguros de comunicação não funcionaram.

Relatos de ucranianos e observadores independentes afirmam que, em vez de usarem seus próprios sistemas seguros de comunicação, alguns deles de última geração, as tropas no front estão usando rádios comuns e telefones celulares, facilmente interceptados.

Segundo o New York Times, citando fontes do governo dos EUA, pelo menos um dos generais mortos teve seu telefone interceptado e sua localização obtida pelos ucranianos — pouco depois, o oficial e militares que estavam com ele foram atingidos por disparos de artilharia.

— Se os russos estão usando telefones celulares ou rádios para se comunicar com oficiais de alta patente, os ucranianos estão com tudo à sua disposição — disse à BBC o analista Konrad Mukyza, da Consultoria Rochan.

Por fim, o próprio governo ucraniano sabe o impacto das mortes de oficiais sobre as tropas, dos dois lados do front. Segundo o Wall Street Journal, o presidente Volodymyr Zelensky criou uma unidade destinada a encontrar e eliminar militares russos de alta patente.

— Os ucranianos têm atiradores de elite muito, muito bons, e eles estão os atingindo [oficiais] de todos os lados — disse Petraeus à CNN.


Fonte: O GLOBO

Postar um comentário

Please Select Embedded Mode To Show The Comment System.*

Postagem Anterior Próxima Postagem