Licitação de mais de R$ 1,5 bilhão de reais em Porto Velho para coleta de lixo é alvo de questionamentos


Lista de presença da Audiência Publica do dia 11/06/2021, contou com apenas dez participantes
 

Porto Velho, RO -
A cidade de Porto Velho, através da Prefeitura local, está se preparando para o fechamento de um dos maiores negócios públicos da história da cidade. A cifra envolvida no contrato é de R$ 1.590.711.075,00 (Hum bilhão, quinhentos e noventa milhões, setecentos e onze mil e setenta e cinco reais), tendo duração de 20 anos, podendo ser renovado por mais 15 anos. 

Esse é o valor que está em jogo para a contratação da empresa que assumirá os serviços de gestão integrada de resíduos sólidos em Porto Velho. Em outras palavras, é a que ficará responsável pelo manuseio e destinação final do lixo produzido pelos moradores do município, incluindo os distritos.

Que a cidade de Porto Velho precisa de um serviço eficiente de coleta de lixo e principalmente destinação de seus resíduos, não há o que se questionar. No entanto, a forma como todo esse processo bilionário está sendo conduzido começa a despertar dúvidas, quanto a clareza dele.

Alguns pontos começam a despertar curiosidade de que esteja faltando um pouco mais de transparência no certame.

Entre esses pontos que levantam suspeita quanto a lisura desse processo licitatório está a falta de audiências e consultas públicas, onde a população e empresas interessadas pudessem opinar, também tendo voz nas decisões.

Sem voz


Isso não ocorreu e a única audiência, foi realizada no dia 11 de junho, no final da tarde, em plena sexta-feira. O que se viu foi uma tentativa de calar os questionamentos sobre o processo. Tanto que o CREA- RO e moradores da capital entraram com ofício no Ministério Público de Rondônia e no Tribunal de Contas questionando a forma como ocorreu a audiência Pública.

Outro ponto que tem chamado a atenção de quem vem acompanhando todo o desenrolar desse processo de escolha da empresa que vai atuar no manejo dos resíduos sólidos na capital, se refere à algumas datas.

A Prefeitura diz no edital da PPP, que respeitou o Plano Municipal de Saneamento Básico do Município, porém, o de Porto Velho só foi homologado em abril de 2021. Já o projeto escolhido como vencedor do Processo de Manifestação de Interesse (PMI) foi aprovado em novembro de 2019, da empresa Marquise Ambiental, pelo conselho gestor do município. Os dados e informações não condizem com as diretrizes estabelecidas pelo próprio município.

UNIR
Outra situação que vem causando estranheza é a localização do possível aterro sanitário. Ele ficará próximo ao campus da Universidade Federal de Rondônia, na BR 364, sentido Acre, em uma área possui uma série de irregularidades. Um exemplo, é um grande e importante curso de água que atravessa toda a área e abastece a capital. Ele corre perigo e pode ser poluído, prejudicando os moradores da cidade.

Vale dizer que o Estudo de Impactos Ambientais e o Relatório de Impactos Ambientais (EIA-RIMA) que foram apresentados no edital é de 2010 e não houve atualização. Além do mais, a licença prévia do local está vencida e pode ser comprovado nos sites da Secretária Municipal de Meio Ambiente ou da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental. A área nem de propriedade da prefeitura é.

SEM ECONOMIA

Em um contrato como esse que envolve uma cifra bilionária, normalmente, as empresas participantes se unem em consórcio para ofertar o melhor preço e a experiência delas, garantindo qualidade ao serviço prestado.

No entanto, para a surpresa geral, o edital dessa licitação proíbe que as empresas se unam e concorram. Qual o motivo dessa proibição? É mais um mistério do edital que ainda não foi solucionado.

E se a Prefeitura de Porto Velho não conseguir pagar a empresa vencedora da licitação, o que será feito para honrar esse compromisso? O ponto 23.3 do edital de licitação responde à essa pergunta, com um absurdo.

Nele, é dito que serão usados os royalties das usinas de Santo Antônio e Jirau que hoje são destinados a saúde e educação. Ou seja, tira-se das escolas, creches e postos de saúde para se pagar o contrato caso a prefeitura não consiga cumprir o mesmo. Triste!

Atualmente, a prefeitura gasta com serviços de coleta e destinação de resíduos sólidos cerca de R$ 3 milhões por mês. Se a PPP se concretizar, esse valor saltará para R$ 7 milhões. Ou seja, qual a vantagem econômica desse contrato para os moradores da capital? Sem contar que o Tribunal de Contas ainda não apresentou um parecer sobre esse edital. Ou seja, mais dúvidas ainda poderão surgir, quem viver saberá. 







Postar um comentário

Please Select Embedded Mode To Show The Comment System.*

Postagem Anterior Próxima Postagem