URGENTE

Foto mostra momento da prisão de líder do PCC em Moçambique



Traficante foi preso em hotel de luxo em Maputo, capital de Moçambique Reprodução

A foto acima mostra o momento em que agentes do Serviço Nacional de Investigação Criminal da Polícia de Moçambique fazem a prisão de Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, um dos líderes do PCC (Primeiro Comando da Capital), por volta das 14h, no horário de Moçambique (9h no Brasil), desta terça-feira (13).
O traficante foi preso, sem oferecer resistência, quando chegava no hotel de luxo onde estava hospedado, ao voltar de uma cliníca médica onde fez um curativo em uma ferida em sua perna. No flat onde ele estava hospedado também foram detidos um nigeriano e um brasileiro ainda não identificado.
O Ministro da Justiça, Sérgio Moro, afirmou que a prisão do traficante, que estava há 21 anos foragido, foi um “golpe poderoso” na organização criminosa que ele fazia parte.
CORONA VIRUS SFG
A operação da prisão de Fuminho foi uma ação de cooperação policial internacional, encabeçada pela PF (Polícia Federal), com o reforço do Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty), da DEA (Drug Enforcement Administration), órgão do Departamento de Justiça dos Estados Unidos responsável pelo combate às drogas, e do Departamento de Polícia de Moçambique.


Traficante estava foragido há 21 anos Reprodução

Apoio dos EUA

A DEA (Drug Enforcement Administration), que ganhou popularidade pela atuação em prisão de outras grandes traficantes pelo mundo, teve um papel fundamental na prisão de Fuminho.
CORONAVÍRUS GOV
Segundo apurou o R7, agentes da DEA já monitoravam o traficante desde que foi localizado, no ano passado, na Bolívia. Equipes do órgão já haviam, inclusive, informado à Polícia Federal brasileira sobre a movimentação de Gilberto Aparecido e chegou a sugerir uma operação para prende-lo ainda na Bolívia, entretanto a ação foi descartada pois ele era cercado no país por um forte esquema de segurança.
A saída de Fuminho da Bolívia para Moçambique, em março, foi acompanhada por agentes do órgão americano, que notificou as autoridades do país Africano e foi fundamental para organizar a ação que resultou na sua prisão.
Trajetória no crime
Fuminho é o responsável pelo fluxo de dinheiro e da logística necessária para o tráfico internacional de drogas na região da Bolívia e Paraguai. É uma espécie de sócio de Marcola.
A carreira no crime ganhou relevância quando escapou da Casa de Detenção, no Carandiru, em São Paulo em janeiro de 1999. Desde então, era procurado pela polícia brasileira.
Em abril de 2019, Fuminho teria dado o aval para membros da facção criminosa fazer o resgate de Marcola do Presídio Federal de Brasília. Dois aviões e um helicóptero, que seriam caracterizados como da Polícia Militar de São Paulo, seriam usados no plano.
O plano foi descoberto por agentes na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, conhecida como P2 de Venceslau (a cerca de 610 km de São Paulo), que flagraram anotações de membros do PCC.
Apontado como líder máximo da facção criminosa, Marcola saiu da P2 de Venceslau no começo de 2019 para ir à penitenciária federal de Porto Velho. Um mês depois, foi novamente transferido, desta vez para a federal de Brasília.
Fonte: R7

VEJA TAMBÉM: Operação predadores no Vale do Guaporé

Nenhum comentário