URGENTE

VOTAÇÃO UNÂNIME: Câmara aprova projeto de estacionamento rotativo apoiado pela CDL

   
Aprovação foi unânime, com 12 votos favoráveis e nenhum contrário. Nesta terça (04), haverá uma segunda votação e depois, o projeto segue para sanção do prefeito Hildon Chaves.  Na sessão ordinária desta segunda-feira (03), a Câmara de Vereadores de Porto Velho aprovou em primeira votação, o Projeto de Lei Complementar 1061/2019, de autoria do Poder Executivo, que autoriza a concessão de serviço público de Estacionamento Rotativo Pago para veículos em vias e logradouros públicos e outras providências.

Em primeiro turno, 12 vereadores presentes à sessão foram favoráveis à medida e nenhum contrário. Também foram aprovadas duas emendas: uma da vereadora Cristiane Lopes, sobre a criação de um conselho gestor do Estacionamento Rotativo e outro do vereador Da Silva, que estabelece espaços para carga e descarga de veículos.

Nesta terça-feira (04), haverá uma segunda consulta. Se for novamente aprovado, o projeto segue para sanção do prefeito Hildon Chaves. Depois, o estacionamento rotativo será regulamentado e terá o preço fixado. “Ainda não entramos na discussão de qual será o valor. Isso é uma prerrogativa do município. O que a Câmara vai fazer é autorizar a implantação do estacionamento rotativo. Não queremos tirar dinheiro do motorista. Queremos fazer o ordenamento do trânsito, fazendo com que ele pague um preço justo e tenha a garantia do estacionamento”, destacou o relator da matéria, vereador Marcelo Reis.

Novo Ânimo

Para a presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Velho (CDL), Joana Joanora, o estacionamento rotativo deve dar um novo ânimo para o comércio da cidade. “Essa lei é importantíssima. É uma necessidade não só do comércio, mas do consumidor, das pessoas que vão fazer seus negócios nos centros comerciais. A Capital já tem milhares de veículos. Essa medida vai trazer muitos benefícios para todos os lados. O estacionamento aumenta o movimento no comércio, garante as lojas abertas e empregos para os comerciários”, salientou.

Nenhum comentário