URGENTE

FÁBRICA VOTORANTIM EM PORTO VELHO IRÁ PAVIMENTAR TRECHO DA AV FARQUAR DO BAIRRO NACIONAL


O presidente da Votoratim, Walter Schalka, visitou as obras em Porto Velho e esclareceu que a produção da nova fábrica atenderá em 80% o estado de Rondônia e que os outros 20% irão abastecer o estado do Acre. “Atualmente é a nossa empresa que fica instalada no Mato Grosso que abastece o mercado rondoniense, com a implantação da fábrica aqui, poderemos atender melhor a demanda exigida pela construção civil, que
cresce vertiginosamente em Rondônia”, afirmou.

A Votorantim Cimentos vai assumir uma compensação pelos impactos no trânsito de Porto Velho. Isso porque o clínquer, principal matéria prima para a fabricação do cimento – composta de uma mistura de argila e calcário – que não é produzido em Rondônia, chegará à Porto Velho por embarcações e do porto será levado em caminhões até a fábrica. A operação vai produzir um impacto do trânsito urbano, cuja compensação acertada entre o prefeito Roberto Sobrinho e diretores do grupo empresarial, será a pavimentação do trecho da avenida Farquar, na extensão da avenida dos Imigrantes ao bairro Nacional.
O projeto da fábrica de cimento de Porto Velho, que começou a operar em 2009.
O investimento de R$ 110 milhões na nova unidade foi anunciado em 2007 e faz parte dos planos da empresa para aumento da capacidade de produção - ao todo estão sendo injetados R$ 3,2 bilhões para a construção, ampliação e modernização de fábricas em todo o território nacional.
A unidade terá capacidade para produzir 750 mil toneladas de cimento por ano e será responsável por abastecer os mercados de Rondônia, Acre e Amazonas, além de fornecer cimento para as obras das hidrelétricas que serão construídas no Rio Madeira. A nova unidade vai gerar 750 postos de trabalho durante as obras e 250 empregos diretos e indiretos quando estiver em operação.
A nova unidade de fabricação de cimento que está sendo construída em Porto Velho contará com uma tecnologia ambiental de aproveitamento de lixo industrial como fonte secundária de energia para a fábrica. Trata-se do co-processamento, tecnologia consagrada internacionalmente que possibilita a destruição de resíduos industriais (pneus velhos principalmente) a altas temperaturas em fornos de cimento devidamente licenciados para este fim. A tecnologia é usada pela Votorantim Cimentos desde 1990 para reduzir a dependência de combustível fóssil (coque de petróleo, no caso da Votorantim Cimentos) e para a preservação de recursos naturais não renováveis. É considerada a alternativa ambiental mais amigável para as indústrias responsáveis, já que permite a redução significativa das
emissões dos gases do efeito estufa.
Esse procedimento é praticado de acordo com a regulamentação Conama 264/99, lei que define o controle estrito das emissões atmosféricas de forma a não comprometer a qualidade do cimento produzido nem a saúde dos funcionários das fábricas e da população do entorno. Segundo a legislação, podem ser processados resíduos de praticamente todos os segmentos industriais, como siderúrgicos, petroquímicos, automobilísticos, metais, tintas, embalagens, papel e pneumáticos.
Atualmente, 10 fábricas da Votorantim Cimentos realizam o co-processamento: Rio Branco do Sul (PR), Cantagalo (RJ), Sobral (CE), Nobres (MT), Itaú de Minas (MG), Sobradinho (DF), Cipasa (PB), Pinheiro Machado (RS), Corumbá (MS) e Salto (SP). Somente em 2007, a empresa atingiu um volume recorde de cerca de 400 mil toneladas, praticamente a metade do volume médio co-processado no Brasil de aproximadamente 800 mil toneladas (que, por sua vez, equivale a 30% do total de lixo industrial produzido anualmente no País).
A atividade faz parte do comprometimento da Votorantim Cimentos com o desenvolvimento sustentável de seus negócios. A empresa é reconhecida no Brasil e no exterior pelos investimentos em programas ambientais e desenvolvimento de novas tecnologias para redução das emissões de gás carbônico.
Nova fábrica Porto Velho (Rondônia)Mercado-alvo: Rondônia, Acre e AmazonasValor do investimento: R$ 110 milhõesCapacidade de produção: 750 mil toneladas/ano (capacidade plena em 2009)Empregos diretos e indiretos: 750 nas obras e 250 na operaçãoInício da operação: 2009
Mais informações FSB Comunicações (11) 3061-9596

Nenhum comentário